0 4

COVID-19 afeta a economias, exceto da Coreia do Sul

Notícias de Economia: A Coreia do Sul parece ter conseguido mitigar as repercussões tanto na saúde quanto na economia, causadas pela pandemia do COVID-19.

À medida que os EUA lutam contra a persistente pandemia e a lenta recuperação do crescimento econômico, a Coreia do Sul parece ter encontrado uma receita para ter sucesso em ambos, se conseguir sobreviver a um novo aumento nos novos casos de coronavírus.

De acordo com as últimas projeções da OCDE, a Coreia do Sul apresentou uma contração do PIB adicional de 1% para 2020. É o segundo melhor desempenho entre as principais economias depois da China.

Em contrapartida, espera-se que a zona euro encolha 8%, os EUA podem ver uma contração de quase 4% de seu PIB durante todo o ano.

Na mais recente perspectiva, o economista-chefe da OCDE, Laurence Boone, disse que o mundo está experimentando a pior paralisação econômica desde a Segunda Guerra Mundial.

A apresentação da OCDE ressaltou que o sucesso econômico andou lado a lado com o sucesso na gestão da pandemia.

Em parte, é por isso que a Coreia do Sul escapou com uma economia relativamente ilesa, graças à sua gestão altamente eficaz da pandemia.

Tanto os EUA quanto a Coreia do Sul registraram seu primeiro caso do novo coronavírus no mesmo dia. Desde então, os casos sul-coreanos atingiram 851 novos casos diariamente em março, mas depois diminuíram para dígitos únicos.

Nos EUA, os casos nunca diminuíram realmente até meados de julho, onde o pico foi de 74.818 infecções confirmadas em um único dia.

De acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças e a Universidade John Hopkins dos EUA, a Coreia do Sul registrou sete mortes por um milhão de pessoas, enquanto os EUA registraram quase 600 mortes por milhão.

 

O sucesso econômico vai junto com o sucesso na gestão da pandemia.

A manipulação agressiva do surto, através de um rigoroso confinamento nacional, paralisou toda a Economia Europeia por meses. Isso não era necessário para a Coreia do Sul, o que resultou em um menor deslocamento econômico de fatores, como restaurantes fechados e muito mais.

Por conseguinte, a Coreia do Sul conteve a pandemia muito melhor do que outros países apresentando assim menos interrupções econômicas.

Os dados de mobilidade do Google mostram que a Coreia do Sul mal mudou suas rotinas regulares após o surto em fevereiro, e a pequena mudança que experimentaram se recuperou em abril.

Os maiores fatores para a mudança foram os feriados e o clima, não o vírus. Pelo contrário, a Itália, que foi a pior afetada, teve uma diminuição nas visitas às lojas.

Além disso, embora a Coreia do Sul não tenha sido tão duramente atingida como a maioria dos países, lançou rapidamente uma resposta de política fiscal um pouco agressiva. O país deu cerca de US$ 12,2 bilhões ou cerca de 0,7% do PIB do país a empresas e cidadãos no início da primavera.

Esse valor não foi tão alto quanto o da Alemanha, que lançou um pacote de estímulos perto de 4% de seu PIB. Mas como a Coreia do Sul forneceu apoio rapidamente, ajudou a manter o consumo. A Coreia do Sul continua a fornecer apoio em empréstimos e garantias que totalizam US$ 230 bilhões.

Ainda mais, a Coreia do Sul manteve o fluxo das torneiras fiscais. Na semana passada, anunciou sua 4ª rodada de estímulos, somando US$ 6,5 bilhões.

Os formuladores de políticas sul-coreanos dizem que a abordagem de expansão provavelmente continuará até o próximo ano para tratar os persistentes impactos econômicos da pandemia.

Isso também é contrário a países como os EUA, que começaram o ano com um estrondo fiscal e monetário, mas retardaram os esforços para jogar dinheiro na contínua fraqueza econômica.

Este mês, o Congresso dos EUA discordou de um novo pacote de estímulos depois que legisladores republicanos tentaram cortar benefícios já insignificantes. Os democratas buscaram mais ajuda para o grande número de americanos desempregados.

Segundo Christophe André, da OCDE, a resposta fiscal foi uma das chaves para que o consumo interno voltasse aos trilhos.

Ele acrescentou que a demanda interna permaneceu relativamente estável, o consumo caiu no primeiro semestre do ano, mas o apoio fiscal ajudou na recuperação.

A resposta da política fiscal da Coreia do Sul foi mais forte em comparação com outros lugares.

Em primeiro lugar, mais empresas fizeram pagamentos em dinheiro, o que fez com que os consumidores sul-coreanos gastassem mais e economizassem menos dos seus cheques de auxílio.

Os consumidores sul-coreanos gastaram uma parte significativa do dinheiro distribuído nas três primeiras parcelas do estímulo.

Nos EUA, a maioria das famílias depositou grande parte de seu famoso cheque de estímulo de US$ 1.200.

Em segundo lugar, algumas províncias sul-coreanas também usaram soluções criativas para garantir que os pagamentos do governo fossem reciclados na economia e ajudassem a impulsionar o consumo.

Lee Jae-Myung, governador da província de Gyeonggi, decidiu testar pagamentos não em dinheiro. Gyeonggi é a região mais populosa da Coreia do Sul.

Cada residente recebeu cerca de US$ 85, que poderiam gastar durante três meses. Porém, veio na forma de moeda local que eles só poderiam gastar em lojas dentro da região em vez de poupar.

De acordo com Heo Yeung-Gil, depois que o governador distribuiu o auxílio, as vendas mensais das empresas locais aumentaram 18%, e 56% dos proprietários de pequenos negócios comunicaram um aumento em suas vendas. Heo Yeung-Gil é o líder da Divisão de Planejamento de Segurança na província de Gyeonggi, que supervisiona a distribuição do auxílio a desastres.

Ele acrescentou que, apesar do preço de cerca de US$ 850 milhões, acreditava que o programa era sustentável.

O programa foi usado para impulsionar o consumo e criar um ciclo mais virtuoso de gastos para a economia. Nesse sentido, Heo disse que o programa valeu a pena.

Apesar do relativo sucesso da Coreia do Sul até agora, ainda não acabou de lidar com o vírus e seus efeitos. O país vem relatando entre 100 e 200 casos diários há mais de duas semanas, alimentando temores de um novo surto.

A Coreia do Sul foi forçada a restringir a atividade comercial, permitindo que os restaurantes sirvam comida só depois das 21h e que os cafés só sejam consumidos fora do estabelecimento.

Moon Jae-in, presidente da Coreia do Sul, disse que o governo estava “em uma caminhada difícil entre o controle do vírus e a economia”. Após a pressão das empresas locais, a Coreia do Sul aliviou as restrições novamente, duas semanas depois que tivessem afetado o país.

 

A Coreia do Sul pode ter mais problemas econômicos do que o esperado.

No mês passado, o banco central do país rebaixou sua perspectiva de um ano inteiro para a economia em uma contração de 1,3%, representando um grande salto em relação às estimativas anteriores. A segunda onda do vírus na Coreia do Sul também fez com que a OCDE ajustasse sua avaliação inicial de 0,8% negativo para 1% negativo.

Em muitos países, os deficit hawks estão preocupados com a sustentabilidade de pacotes de estímulos fiscais superdimensionados que podem amenizar os problemas de curto prazo, mas apenas ao custo do acúmulo de dívida de longo prazo.

Porém, o economista da Universidade Yonsei, Lee Doowon, tinha suas reservas.

Ele disse que os subsídios do governo ajudaram os coreanos, mas não podem ser fornecidos para sempre porque estão deteriorando o orçamento do governo.

A Coreia do Sul é uma economia orientada à exportação e um risco agudo à medida que a pandemia continua a deprimir o comércio transfronteiriço.

O país asiático depende do comércio internacional, que foi bastante afetado pela pandemia, especialmente na indústria exportadora. A situação ainda será pior nos próximos meses, a menos que o país faça um grande avanço.

Boone, da OCDE, concorda com os sentimentos. Ele diz que a recuperação dos sul-coreanos no próximo ano depende de o resto do mundo sair do buraco do COVID-19, o qual está fora de seu controle.

Ele também disse que a Coreia do Sul estava integrada à economia global. Portanto, a extensão da recuperação será limitada ou ajudada pelo tamanho e pela magnitude da recuperação em outros lugares.

Comments Rating 0 (0 reviews)

Receba as últimas notícias sobre economia, negociações e Forex no Finance Brokerage. Confira a nossa extensa seção de educação em negociações e lista das melhores corretoras de Forex aqui. Inscreva-se agora e receba atualizações GRATUITAS sobre o mercado hoje!

Deixe sua opinião

Sending

Inscreva-se e receba nosso boletim de notícias

Receba as melhores notícias da Finance Brokerage diretamente no seu e-mail. Inscreva-se agora para receber as últimas notícias do mercado.